Sofia Ribeiro defende o restabelecimento do POSEI Pescas

A conferência decorreu no Parlamento Europeu e contou com a presença, entre outros oradores, do Comissário dos Assuntos Marítimos, Pescas e Ambiente, e permitiu debater diversos temas como o crescimento azul sustentável, os fundos europeus de apoio às actividades marítimas e os desafios das Ilhas europeias. Segundo Sofia Ribeiro "esta foi uma iniciativa muito interessante em que tive a oportunidade de elencar os principais desafios que as Regiões Ultraperiféricas enfrentam, bem como lembrar da importância de se fazerem cumprir os tratados, nomeadamente a discriminação positiva que estas Regiões têm de manter no quadro legislativo europeu. Para que isto se efective, apresentei igualmente a enorme mais-valia que as RUP representam para a União Europeia, acrescentando mais mar à Europa, sendo este um sector estratégico, pois como defendeu o teórico Alfred Mahan "quem domina o mar, domina o mundo", neste caso ao nível do conhecimento científico, da segurança e defesa, da exploração sustentável dos recursos, entre outros."

Intervindo na qualidade de Vice-Presidente para as Regiões Ultraperiféricas, a Eurodeputada defendeu "uma maior e melhor aposta na formação de todos os marítimos e pescadores de modo a evitar acidentes de trabalho e aumentar o seu rendimento, assim como a necessidade de investimento em pesquisa e conhecimento sobre o potencial dos mares e oceanos, os seus recursos e biodiversidade e a forma como estes interagem com as actividades humanas, potenciando assim a economia europeia. Por isto, defendi uma plataforma europeia que agregue todas as iniciativas em todas as áreas relacionadas com o sector, de modo a promover a cooperação na pesquisa, inovação e gestão dos recursos, numa abordagem integrada do mesmo".

A finalizar a sua intervenção, Sofia Ribeiro deixou dois apelos fortes, nomeadamente "a necessidade de se voltar a defender a protecção de áreas de pesca nas RUP onde só as frotas locais com artes amigas do ambiente possam pescar, as chamadas zonas bio-geograficamente sensíveis defendidas desde 2007 por Duarte Freitas, uma vez que o sector das pescas desempenha um papel fundamental na economia local e representa um meio de subsistência para muitas famílias. Também defendi o restabelecimento urgente da autonomia do programa POSEI Pescas no âmbito da próxima revisão da Política Comum de Pescas, deixando assim de estar integrado no FEAMP. Pedi a todos os intervenientes políticos que apoiassem estas causas muito importantes para as RUP, mais concretamente para o sector das Pescas nos Açores".