Sofia Ribeiro defende investimento específico para regiões com taxas de desemprego acima de 30%

A Eurodeputada Sofia Ribeiro reuniu esta semana, em Estrasburgo, com a Comissária para a Política Regional, Corina Cretu, para defender uma diferenciação positiva para as RUP e outras sub-regiões europeias de baixo desenvolvimento e o reforço da coesão à escala europeia.

Esta foi uma reunião que resultou de uma iniciativa conjunta da Eurodeputada e do seu colega espanhol socialista Sergio Gutiérrez Prieto, ambos membros da Comissão de Emprego e de Assuntos Sociais do Parlamento Europeu, responsáveis pelo Semestre Europeu na respectiva área na corrente legislatura, pelos respectivos grupos políticos, na sequência da aprovação do relatório da deputada neste processo de coordenação das políticas económicas e sociais da UE. Em concreto, o relatório por que foi responsável Sofia Ribeiro apela ao estabelecimento de um programa específico no âmbito do Quadro Financeiro Plurianual, para as sub-regiões europeias cujas taxas de desemprego excedem os 30%. 

Segundo Sofia Ribeiro "esta espécie de bloco central que consegui formar no Parlamento Europeu é de extrema importância, ainda para mais quando constituído por deputados ibéricos, de países periféricos da União Europeia, ambos com Regiões Ultraperiféricas. Ao trabalharmos em conjunto no processo de coordenação das Políticas Económicas e Sociais na defesa de Programas diferenciados para as regiões com maiores taxas de desemprego, representamos um bloco que corresponde a uma larga maioria de deputados, o que é muito significativo. Recordo que, de acordo com os últimos dados do Eurostat, a taxa de desemprego jovem nos Açores é superior a 40%".

Ficou assente na reunião com a Comissária Cretu a importância do processo de elaboração das Recomendações Específicas por País, do qual são emanadas as orientações europeias aos Estados-Membros em matéria de Políticas orçamentais, financeiras e sociais, conter uma análise  e propostas específicas para o combate ao desemprego nas regiões mais vulneráveis.

Sofia Ribeiro adiantou que "não só consegui introduzir, pela primeira vez num parecer do Parlamento Europeu, a imperiosidade do Semestre Europeu se fundar em indicadores Sociais na área do Emprego e não apenas económicos, como estamos, também, a inovar, defendendo a integração das realidades das regiões mais desfavorecidas neste processo de coordenação de Políticas dos Estados-Membros. Com estas duas premissas, o Semestre Europeu assumirá uma dimensão social sem precedentes, que reforça a coesão social à escala europeia, o que é muito relevante para as Regiões Ultraperiféricas."

Nesta reunião, para além de terem discutido com a Comissária a relevância das Políticas e dos fundos de coesão no reforço do pilar social social europeu, o que se constituirá como de especial importância na revisão  do Quadro Financeiro Plurianual que decorrerá em 2017, os Eurodeputados disponibilizaram-se para integrar uma plataforma ibérica de minimização das discrepâncias económicas e sociais verificadas nas diversas Ilhas da UE, em colaboração com um Gabinete de Trabalho que está a ser constituído pela Comissária.