Sofia Ribeiro apresenta projecto-piloto para combater o desemprego nas Regiões Ultraperiféricas

A eurodeputada Sofia Ribeiro submeteu esta quarta-feira, na Comissão do Emprego e Assuntos Sociais do Parlamento Europeu, uma proposta de projecto-piloto que pretende dar resposta ao desemprego nas Regiões Ultraperiféricas. A iniciativa foi articulada entre os vários deputados destas regiões e insere-se no desenvolvimento das economias verde e azul.

A proposta apresentada, afirmou Sofia Ribeiro, "pretende apoiar a criação de emprego através do desenvolvimento de micro, pequenas e médias empresas inovadoras". O objetivo é "promover o empreendedorismo e as sinergias entre os diferentes atores governamentais e agências de desenvolvimento locais, parceiros sociais, instituições de ensino e formação, e representantes dos jovens, promovendo assim o crescimento sustentável a longo prazo, com especial atenção ao desemprego jovem e ao desemprego de longa duração".

A eurodeputada social-democrata explicou ainda que este projecto "divide-se em várias fases e pode revelar-se muito importante, pois permitirá a constituição de uma plataforma de análise das potencialidades de emprego entre as RUP, da definição de mecanismos de formação e de integração dos trabalhadores, bem como permitirá disponibilizar incubadoras de novas PME e um fundo de apoio para que possam desenvolver projetos ligados às economias verde e azul".

Para além dos Açores, esta iniciativa, com um orçamento de dois milhões de euros, destina-se às outras oito regiões ultraperiféricas que fazem parte da União Europeia, como as ilhas da Madeira, Canárias, Martinica, Maiote, Guadalupe, Guiana Francesa, Reunião e São Martinho. "Estas regiões têm uma taxa média de desemprego jovem superior a 50%, e os desempregados de longa duração representam mais de 65% - o que é preocupante" acrescentou.

O projecto visa complementar a rede de emprego para as RUP, criada em setembro de 2014 e apoiada pela Comissão Europeia, "que tem assumido uma dimensão essencialmente a nível político", explicou a eurodeputada. "Até agora, o foco social tem sido pouco desenvolvido e esta é uma área fulcral onde as RUP têm de se afirmar a nível europeu. Os seus mercados de trabalho são frágeis, especialmente devido à distância a que estas regiões se encontram do continente europeu, do seu tamanho e fragmentação. É, por isso, fundamental criar medidas específicas para que se desenvolvam", finalizou Sofia Ribeiro.